quinta-feira, 24 de junho de 2010

DO ALBATROZ ATÉ O RIO CAÍ

Eu queria  voltar ao clube náutico Albatroz para relembrar das vezes que estive lá nos tempos de guri quando saia  de caíque (ou caico) com motor de popa com um dos meus tios.
Ele saía do clube para pescar no rio Caí e passava pelo arroio das Garças, depois pegava o "largão" e seguia   até a foz do rio Caí por onde subia até um lugar chamado de "Eucaliptos".
O largão era quando entrava no trecho do rio Jacuí   saindo do arroio das Garças. Naquele ponto ocorre o encontro das águas do rio dos Sinos e condições para formação de ondas pela própria extensão de águas  com a ocorrência de ventos de qualquer direção - se ventar de qualquer lado pode ocorrer ondas.
 Para uma embarcação segura não seria problema mas, em um caíque de madeira com cinco pessoas e mais toda tralha, gasolina, com a linha d'água chegando a centímetros da borda era de se preocupar. Ele sabia disso e por isso dizia "vamos ver como vai estar no largão"!. Isso valia tanto para ir como para voltar. Só de lembrar me arrepia por que coletes não existiam. Hoje posso dizer que fui um sobrevivente dessa aventura.

Saindo do clube Albatroz





Descendo o Gravataí.


Tiane e Leonardo, parceiros dessa remada 


Leonardo fazendo a navegação e passando para Tiane.


Obra da ponte nova.








Garça engolindo um peixe.
















Entrando no canal Humaitá. 

Leonardo já alcançando o arroio das Garças.

       Agora a Tiane chegando para virar à direita.


      Arroio das Garças.



Caíques no arroio das Garças.


Uma raridade, a Kombi pick up

Cais do cimento.

Chegada na prainha de Morretes, no boteco do  Bolicho véio.

Caíques do Bolicho véio

Aquela massinha com chá quentinho, café quentinho preparados pela Tiane e Leonardo.Sem contar que o Bolicho véio nos trouxe provinhas de churrasco.

Já retornando ao Gravataí.


Garça abandonando o galho submerso.


Imagem de Leonardo

Para completar a rota das pescarias do meu tio teríamos de ter subido mais uns 5km até chegar os eucaliptos, mas, a remada já estava de bom tamanho e a decisão de retornarmos dali foi de comum acordo. Ainda teríamos que enfrentar novamente a poliuição do rio Gravataí e isso havia nos deixado chateados e, muito mais eu, por ter dado a idéia.


Navegação por Leonardo:
Distância percorrida: 30,7km

Outras fotos/relato: Blog do Leonardo


4 comentários:

Jorge Luiz Padaratz disse...

Belas fotos Germano, sinto não ter podido ir nessa. Mesmo com a poluição do Gravataí este trajeto é feito por poucas pessoas. Imagine quantas mil pessoas que passam sobre a ponte do Gravataí e que nunca o conheceram com você, o Leonardo e a Tiane. Isto é uma das coisas que me atraem nos caiques...ir aonde muito poucos foram ...
Um abraço,
Padaratz

Germano José Greis disse...

Valeu Padaratz.
Quem precisa cruzar em hora de pico o rio Gravataí (PoA/Canoas)sabe o que é enfrentar o funilamento no trânsito sobre a ponte. Agora com a segunda no mesmo sentido, deverá melhorar. Daí eu penso: porque tantos anos para mais uma ponte? A Free Way foi inaugurada em 1972 (38 anos)e, dos dois sentidos dela foram "jogadas" saídas para cima da ponte antiga. Depois veio o trânsito da Perimetral prá cima da mesma ponte.???
E, olhando a obra por baixo,não parece assim tão monumental para levar tanto tempo assim...

Germano José Greis disse...

Corrigindo:
A inauguração da Freeway ocorreu em 26 de setembro de 1973 como relata o blog de Emilio Pacheco: http://emiliopacheco.blogspot.com/2007/12/inaugurao-da-freeway.html

joabeps disse...

Parabens.
Muito bom o passeio.

Postar um comentário